e-commerce cresceu 5,2% no primeiro semestre de 2016, diz E-bit

A Ebit, empresa especializada em informações de comércio eletrônico, apresentou recentemente o 34º WebShoppers, o principal relatório sobre o setor no Brasil. Nesta edição, o estudo informa que no primeiro semestre de 2016 as vendas pela Internet alcançaram um faturamento de R$ 19,6 bilhões, o que representa um crescimento nominal de 5,2% na comparação com o mesmo período no ano passado.

Diversos são os fatores que influenciaram este crescimento do volume financeiro movimentado pelos sites de comércio eletrônico. Entre eles estão:

  • Aumento de 7% no valor do tíquete médio, ficando em R$ 403,46, crescimento puxado pela alta de preços registrada pelo Índice FIPE/Buscapé;
  • Maior participação das classes AB;
  • Manutenção das vendas de categorias de produtos de maior valor, como “Eletrodomésticos” e “Telefonia/Celulares”.

Ainda podemos acrescentar a esse resultado outros motivos que colaboraram. O aumento de 31% em consumidores virtuais ativos, aqueles que realizaram pelo menos uma compra no período, chegando a 23,1 milhões. E o forte crescimento das vendas via dispositivos móveis, que tiveram 18,8% em participação média no semestre e, em junho, representaram 23%.

“Todos esses fatores somados tiveram influência para que o faturamento registrasse um índice positivo, mesmo com um cenário de retração do varejo como um todo no atual momento do País. Mas as vantagens que a compra online oferece também são motivo de atração aos consumidores que desejam fazer uma compra mais qualificada pagando menos”, avalia o CEO da Ebit, Pedro Guasti.

No entanto, com o aumento do desemprego e enfraquecimento das compras feitas pela classe C, houve queda de 2% no volume de pedidos na comparação com o ano anterior. No total, foram contabilizados 48,5 milhões de encomendas virtuais. Por outro lado, a renda média familiar dos consumidores online aumentou em 11%, alcançando R$ 5.174.

Neste semestre verificou-se uma mudança no comportamento dos consumidores em relação à preferência dos produtos adquiridos. A categoria “Livros, Assinaturas e Apostilas” (14%) assumiu a liderança em volume de pedidos, seguida por “Eletrodomésticos” (13%), “Moda e Acessórios” (12%, que estava à frente desde a primeira metade de 2013), “Cosméticos e Perfumaria /Cuidados Pessoais/Saúde” (12%) e “Telefonia/Celulares” (9%), nesta ordem.

categorias-mais-vendidas-em-volume-de-pedidos-ebit-webshoppers

“Apesar de um começo de ano com menor ritmo nas vendas, a Ebit registrou uma melhora na confiança do consumidor, o que garantiu uma retomada das transações nos últimos meses. A expectativa é de que o crescimento do e-commerce seja maior no segundo semestre potencializado, principalmente, pela Black Friday e Natal”, comentou o COO da Ebit, André Dias.

A estimativa de vendas até o final do ano se mantém de acordo com o previsto pela Ebit no começo de 2016. O faturamento deverá totalizar R$ 44,6 bilhões, um crescimento nominal de 8% ante 2015. O número de pedidos poderá chegar a 106,5 milhões, próximo ao apresentado no ano passado.

O ciclo de compra na Internet

Em pesquisa especial da Ebit realizada com 7.809 consumidores, entre 3 de junho e 11 de julho de 2016, sobre o ciclo de compra na Internet, uma pergunta abordava quais produtos foram comprados no e-commerce nos últimos três meses. Celular/smartphone foi o campeão, com 26% da preferência, seguido por Moda Feminina/Acessórios (19%), Moda Masculina/Acessórios (15%), Perfume (12%) e Esporte e Lazer (11%).

Analisando o item líder em vendas, verificou-se que em média as pessoas demoram 16 dias para tomar a decisão de adquirir um celular/smartphone. Dos consumidores que procuram este produto, 37% já buscam informações apenas na Internet antes de fazer a compra e apenas 3% não pesquisaram em nenhum canal.

“Cada vez mais estamos vendo uma migração do consumo do varejo físico para o virtual. Isso porque as compras online podem ser mais planejadas, pois possibilitam que o consumidor compare mais facilmente produtos e preços em diversas lojas, antes de fechar seu pedido. E isso lhe garante mais economia e satisfação”, assinala Guasti.

Questionados sobre os fatores de indução de compra, ainda no caso desse produto de preferência, os respondentes indicaram preço (57%), qualidade (50%) e frete grátis (23%) como os que mais levam em consideração no momento de decisão.

Em relação ao NPS® (Net Promoter Score®), indicador que mede a satisfação e fidelização do cliente, pode-se perceber uma evolução gradativa nos últimos meses. Uma das causas foi a queda no volume de atraso na entrega, de 8,6% para 7,7% dos pedidos. Se em dezembro do ano passado o índice sofreu uma queda, logo houve uma retomada, saindo de 59,7% naquele mês, alcançando 61,6% em março e chegando a 64,4%, em junho deste ano.

Pesquisa com FecomercioSP

O Estado de São Paulo é o que tem maior faturamento no comércio eletrônico no Brasil. E no primeiro trimestre de 2016 atingiu R$ 3,6 bilhões, segundo pesquisa da FecomercioSP em parceria com a Ebit para o relatório WebShoppers.

A quantia representa, porém, uma queda real de 7,4% na comparação com os R$ 3,9 bilhões registrados no mesmo período de 2015. A região Sudeste é também a mais forte em participação nas vendas (Ebit), detendo no primeiro semestre 64,5% do todo.

Apesar da retração no início do ano, a perspectiva pelas entidades é de melhora nas vendas do varejo geral no segundo semestre, com a retomada dos investimentos e reaquecimento da economia e, por consequência, maior confiança também do consumidor. Datas como Black Friday e Natal também deverão colaborar com um melhor desempenho do setor, fazendo com que 2016 termine melhor do que começou.

Índice FIPE/Buscapé detecta alta menor devido ao câmbio

No primeiro semestre de 2016, a alta dos preços no varejo continuou a atingir também o comércio eletrônico brasileiro.

No entanto, a variação acumulada positiva de 2,83% registrada pelo Índice FIPE/Buscapé foi menor que a apontada no mesmo período do ano anterior, de 3,73%. Muito por conta da menor pressão do câmbio sobre os preços dos produtos e componentes importados, que têm grande peso no setor.

Apoiadores do WebShoppers

O WebShoppers conta nesta 34ª edição com o apoio premium da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), além da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico (camara-e.net), E-Commerce Brasil, IAB Brasil, Instituto Brasileiro de Executivos de Varejo e Mercado de Consumo (Ibevar), e Mobile Market Association (MMA) para a divulgação dos dados apresentados para o mercado.

Para ter acesso ao relatório completo, basta acessar o site da Ebit e fazer o download gratuito em http://www.ebit.com.br/webshoppers.

Resumo do relatório publicado originalmente no site E-commerce Brasil – veja no link

Como Abrir uma Loja Física Pode Ajudar Sua Loja Virtual

Kayleen Leonard é fundadora da Coquette Couture, uma boutique de Sioux Falls que comercializa roupas femininas de estilos variados escolhidas a dedo. Descubra como ela começou um negócio exclusivo de e-commerce (antes disso ser considerado “cool”) e por que foi forçada a abrir sua própria loja física, apesar dos custos adicionais ao negócio dela.…

Leia o texto do podcast em português, ou ouça a entrevista em inglês na integra no link Como Abrir uma Loja Física Pode Ajudar Sua Loja Virtual — company-pt – Blog

9 Dicas de Marketing nas Redes Sociais para Empreendedores – Shopify Blog

Há dez anos, o marketing nas redes sociais era bastante diferente. Concorrer no mundo online simplesmente significava estabelecer uma presença atrativa que fosse capaz de se espalhar organicamente. A escolha dos seus canais envolvia apenas um punhado de opções populares. Criar “mídia” consistia principalmente em escrever posts e produzir imagens. Porém, atualmente…

Leia o artigo na íntegra – clique aqui: 9 Dicas de Marketing nas Redes Sociais para Empreendedores — company-pt – Blog

Como Criar uma Experiência de Unboxing Inesquecível para sua Marca — Shopify Blog

Para empresas de e-commerce, a embalagem enviada representa o ponto de contato e a conexão mais direta com o cliente, além de ser uma das oportunidades de marketing mais subestimadas para o lojista. Quando foi a última vez que você realmente pensou sobre sua embalagem e sobre as experiências de “unboxing”? Para muitos varejistas online, a…

Leia na íntegra através do link Como Criar uma Experiência de Unboxing Inesquecível para sua Marca — company-pt – Blog

Segredos do Branding por 14 Especialistas da Indústria da Moda – Shopify Blog

Durante minha caminhada para o trabalho, uma corredora passa por mim à esquerda. Ela tem a forma de um borrão vestindo uma roupa esportiva nas cores preta e fúcsia. Na interseção das listras transversais do seu top, há um pequeno sinal reflexivo, quase indetectável. Esse sinal, conhecido como “swoosh”, é o símbolo de uma das…

Confira o artigo através do link Segredos do Branding por 14 Especialistas da Indústria da Moda — company-pt – Blog

Shopify integrado com ERP – ficou mais fácil emitir a NFe

NFeTem atividades que me causam bastante desconforto ou irritação – geralmente estão ligadas a falta de infraestrutura e investimento do nosso país… fila de carro, fila no correio, fila no banco, etc…

Já outras estão ligadas ao excesso de burocracia… para abrir firma, para reconhecer firm, e a campeã na minha opinião – a emissão da bendita Nota Fiscal Eletrônica.

Confesso que até recentemente vinha emitindo NFe através do programa de emissão da Receita. Sim, aquele que dava pau, que requeria um customização do Java, etc… Toda vez que entrava pedido era um parto cadastrar o cliente, o produto, digitar as condições…

Certo ou não, essa dificuldade acaba desencorajando o empreendedor a se formalizar, abrir firma, vender através de loja virtual, emitir nota…

Mas agora vem a boa noticia! A Shopify já é integrada com ERP!

Para ler o artigo na íntegra, clique no link:

Shopify Integrado com ERP: Ficou mais fácil emitir a NFe.

 

5 Estratégias de Marketing Digital para Aumentar Seu Tráfego – Shopify Blog

“Como faço para gerar mais tráfego para a minha loja online?” Essa dúvida passa pela cabeça de todo empresário de e-commerce em algum momento. Talvez você tenha gasto um tempo e esforço enormes trabalhosamente montando sua loja virtual, apenas para inaugurá-la e se perguntar onde estão suas vendas. Talvez você tenha crescido de forma consistente…

Clique no link para ler o artigo na íntegra >> 5 Estratégias de Marketing Digital para Aumentar Seu Tráfego — company-pt – Blog

Guia de Como Melhorar e Otimizar a Taxa de Conversão – Shopify Blog

Sua loja virtual deve ser projetada com seus clientes em mente. Embora o impulsionamento do seu tráfego seja capaz de gerar mais vendas, concentrar-se em transformar seu tráfego atual em clientes pagantes é uma medida igualmente importante.

Para ler o artigo na integra, clique no link Guia de Como Melhorar e Otimizar a Taxa de Conversão — company-pt – Blog

Para receber o newsletter do blog EmpreenderShopify, clique no link.

Repost Shopify: 10 Dicas Essenciais para Otimizar e Redimensionar Imagens

Se você possui uma loja online, a otimização e redimensionamento de imagens é uma arte que deve ser dominada. Desde atrair clientes através do uso de imagens do Google até reduzir o tempo de carregamento do site, a otimização de imagens pode ser parte importante na construção de um e-commerce de sucesso. Você já passou…

Leia o artigo no link 10 Dicas Essenciais para Otimizar e Redimensionar Imagens — company-pt – Blog

Para receber todos os posts do blog, assine o newsletter aqui!

WhatsApp bloqueado de novo

Screenshot 2016-07-19 15.18.16

Pois é… confesso que nem sei o motivo dessa vez, mas fico imaginando quem vende via WhatsApp e fica sem seu canal de vendas principal. Tudo bem, alguns ativam o Telegram pra improvisar.

Aliás, admiro muito quem consegue vender pelo WhatsApp.  Ao mesmo tempo acho que seria muito mais fácil abrir uma loja numa plataforma como Shopify e deixar de ter que trocar mensagens tirando duvidas sobre preço, tamanho, disponibilidade, depósito em conta, endereço e prazo de entrega, etc…  Sem falar que transmite uma imagem muito mais profissional. E custa apenas $29 por mês!

Como comprador, posso afirmar que tenho mais confiança em comprar com quem vende via site usando pagamento via PayPal ou PagSeguro.

Mas tem muita gente que ganha dinheiro vendendo via ZapZap – quem sou eu pra dizer que estão errados – se o cliente está disposto a enviar seu dinheiro…  só não nesse momento.

Para receber todos os posts do blog, assine o newsletter aqui!